Corpo de mulher é encontrado enterrado em pátio de casa em Sananduva, e marido é preso


Corpo de mulher é encontrado enterrado no pátio de casa em Sananduva — Foto: Polícia Civil

O corpo de uma mulher de 65 anos foi encontrado enterrado no pátio da casa em que ela morava com o marido, um homem de 76 anos, em Sananduva, no Norte do Rio Grande do Sul. A operação foi realizada na manhã de terça-feira (23), com ajuda do Corpo de Bombeiros, após a Polícia Civil obter autorização judicial para cumprir os mandados de busca e de prisão temporária do homem, apontado como suspeito.

A vítima foi identificada como Leodovina Corassa. O delegado responsável pelo caso, Hugo Rigo Junior, disse que investiga crime de feminicídio.

"[O corpo] estava em uma cova coberta, embalado em sacos plásticos. Ela estava com as mãos amarradas e havia uma camisa enforcando o pescoço. Tinha também um pouco de sangue no rosto", disse o delegado, acrescentando que a provável causa da morte é enforcamento. Mas laudos da perícia ainda são aguardados.

A Polícia Civil começou a investigar o caso como desaparecimento, depois que pessoas procuraram a delegacia para relatar a ausência de Leodovina, vista pela última vez no sábado (20). Alguns depoimentos levaram a polícia a suspeitar do marido.

"Ele pediu para vizinhos uma pá para fazer um canteiro, e também já tinha alguma suspeita de que ele andou lavando a casa por dentro, inclusive um colchão, e posteriormente, durante o sábado, foi notado que o canteiro da frente da casa estava totalmente coberto. Ao mesmo tempo, ele comentou com vizinhos que a esposa, que teria alguns problemas psicológicos, havia sido internada", conta o delegado.

Algumas testemunhas comentaram que a mulher tinha depressão e já havia sido internada, mas a polícia ainda não tem informação concreta sobre a saúde dela.

Conforme a polícia, não havia registros de ocorrência envolvendo o casal.

Depoimento confuso

O conteúdo dos relatos fez com que a polícia procurasse o homem para ouvi-lo. Alguns diziam que o marido comentou que a mulher voltaria viva ou morta do local em que estava.

"Vimos fortes indícios que havia alguma coisa errada. Estivemos na casa dele, ele nos recepcionou, e notamos cheiro forte de sangue. Havia um colchão que ele admitiu que era dela [Leodovina] e ele havia jogado água e colocado na janela para arejar", disse o delegado.

"Vimos que a história era muito estranha, e convidamos ele a ir na delegacia, passamos a falar com ele lá, e ele sustentava a história", acrescenta.

Foi então que a polícia solicitou os mandados à Justiça.

Depois de o corpo ter sido encontrado, o homem não falou novamente à polícia, o que ainda deverá ser feito formalmente. Ele foi levado ao Presídio Estadual de Lagoa Vermelha. O delegado estuda pedir a prisão preventiva do suspeito. 

Rigo ainda não tem informação se o homem tem algum advogado, ou se será representado por um defensor público. O delegado acrescenta que o casal estava junto há cerca de 40 anos e não tinha filhos.

Uma nova perícia será realizada na casa, com luminol, substância usada para detectar vestígios de sangue.

Fonte: G1

Compartilhe!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se você encontrar algo de carater ofensivo, por favor denuncie.

Comentários (0)


Deixe um comentário