Em busca de pistas sobre homem que está atacando pessoas com ácido, polícia procura imagens de câmeras de segurança


Bruna teve o rosto atingido pela substância - foto: Tadeu Vilani / Agência RBS

A Polícia Civil está em busca de mais imagens de câmeras de segurança que possam dar pistas sobre a identidade do homem que está atacando pessoas na rua com um líquido ácido. Foram registrados cinco casos entre a quarta-feira (19) e a sexta-feira (21), todos na zona sul de Porto Alegre. Nesta segunda-feira (24), duas vítimas devem prestar depoimento.

No sábado (22), foi divulgado um vídeo captado na Rua Santa Flora, no bairro Nonoai, em que aparece um HB20 branco que pode ser do agressor. A imagem foi gravada segundos antes de o quinto caso ocorrer. Três mulheres foram atacadas na mesma rua. Outros dois ataques, contra uma mulher e um homem, foram registrados na Rua Francisca Prezi Bolognese, no bairro Hípica.

Conforme o delegado Luciano Coelho, da 13ª Delegacia da Polícia Civil, ainda não há pistas sobre o agressor e sobre a placa do carro. Apesar de no primeiro caso o agressor estar de bicicleta, o delegado acredita que seja o mesmo homem que agora estaria usando o HB20.

As vítimas relatam que o homem se aproxima, anuncia "olha a água" e joga a substância corrosiva. Além de ferimentos na pele, o líquido ácido queima e causa buracos nas roupas das vítimas. Por isso, a polícia pedirá perícia nas vestimentas para tentar identificar o tipo de produto que está sendo usado.

A dona de casa Bruna Machado Maia, 27 anos, que pode ter sido a primeira vítima, contou que o agressor carregava uma garrafa pet. Por volta das 23h da quarta-feira (19), ela retornava para casa pela Rua Santa Flora, quando viu o criminoso se aproximando de bicicleta. Ela pensou que seria assaltada, tentou mudar de lado na via, mas o homem continuou seguindo os passos dela.

— Ele estava parado na praça, mexendo na cintura e veio na minha direção. Eu vi a garrafa PET de 600 (ml). Quando ele se aproximou, ele falou "olha a água" e tocou uma água em mim. Dei dois passos, aquilo queimou e eu saí correndo. Não vi para onde ele foi — relatou.

Conforme o delegado, o criminoso deverá responder por lesão corporal. 

Informações que possam levar ao autor dos crimes devem ser repassadas à 13ª DP pelo telefone (51) 3242-1108.

Vítima sofreu queimaduras em parte do rosto e pescoço após ataque com líquido corrosivo em Porto Alegre — Foto: Arquivo pessoal

Fonte: Zero Hora

Compartilhe!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se você encontrar algo de carater ofensivo, por favor denuncie.

Comentários (0)


Deixe um comentário